De acordo com os últimos relatórios do mercado Chinês, a Xiaomi continua a ser o principal construtor de smartphones no país, pelo menos no que diz respeito à quota de mercado. A empresa deixou para trás a Huawei e a LeEco no mês de Abril, mas quando falamos do mercado global, a Xiaomi nem sequer chega perto da Huawei.

Nos últimos tempos tem vindo a falar-se da expansão da Xiaomi no mercado Europeu e Americano, mas continua a demorar a sua chegada em definitivo. Existem diversos obstáculos para que isso aconteça e, parece que a Xiaomi ainda não está pronta para tal. No entanto a marca já expandiu o seu negócio para fora do mercado Chinês, como o Brasil, por exemplo. O fabricante Chinês lançou o smartphone Redmi 2 no Brasil, em Junho do ano passado, mas parece que as coisas não estão a correr muito bem para a marca.

sempre-acredite-que-algo-incrivel-esta-prestes-a-acontecer-blog-geek-publicitarioA Xiaomi esperava que o negócio pudesse disparar no Brasil, eles abriram o seu quartel-general para o mercado sul americano no país, e tudo parecia pronto a avançar. No entanto, precisamente um ano depois do lançamento do Redmi 2 no mercado Brasileiro, a marca chamou de volta a equipa de desenvolvimento, pelo menos segundo as ultimas informações.

20150630130105Segundo a Digitimes, a Xiaomi está a ter problemas em promover os seus produtos no Brasil, e não tem planos para introduzir novos dispositivos no futuro, pelo menos, num futuro mais próximo. Devido a isso, a equipa da Xiaomi Brasil regressou à China, e a fonte explica ainda porque esta situação aconteceu. O Brasil tem um sistema de impostos complicado, e isso, em conjunto com os elevados custos logísticos e a fraca aceitação dos produtos, resultaram no cancelamento da operação Brasil.

xiaomi_redmi_lancamento_brasilEsta noticia foi baseada na entrevista que Hugo Barra  deu ao jornal Chinês 21st Century Business Herald.
A acrescentar a isso, Hugo Barra mencionou que a marca vai fazer de tudo para modificar a sua politica de produção no país, esperando que possam cooperar com o Brasil, ajudando a estabilizar um sistema que está em constante mudança. Caso isso falhe, os produtos terão de ser importados para o Brasil, em vez de serem produzidos no país. Apenas como nota final, a Foxconn tem sido a responsável pela produção do Redmi 2 no Brasil

  • MANHOLAS

    O azar de uns são a sorte de outros. Que venha a Xiaomi para a EU, será bem vinda e, certamente, bem recebida.