Um novo estudo sugere que interromper o tempo que os pais passam com seus filhos para ver o smartphone pode trazer problemas para as crianças.

Mesmo em quantidades baixas ou aparentemente normais de interrupção relacionada à tecnologia, durante o pequeno almoço com a família, a hora do lazer com os filhos, ou outras atividades e conversas, podem afectar o comportamento da criança, tais como excesso de sensibilidade, temperamento forte, hiperatividade e choro.

Brandon T. McDaniel, professor assistente na Universidade de Illinois nos EUA, que é o principal autor da pesquisa, disse que as recentes descobertas “contribuem para evidências crescentes mostrando uma associação entre maior uso de tecnologia digital e disfunção potencial no relacionamento entre os pais e filhos”.

É realmente difícil alternar a atenção entre todas as informações importantes contidas nesses dispositivos, com as informações sociais e emocionais dos nossos filhos, e processá-las efetivamente ao mesmo tempo.

O estudo foi realizado com base nas pesquisas realizadas por pais e mães de 170 famílias biparentais, e foi publicado na revista Child Development. 48% dos pais relataram interrupções pela tecnologia três ou mais vezes num dia típico, enquanto 17% disseram que ocorreu uma vez e 24% disseram que aconteceu duas vezes por dia. Apenas 11% disseram que não ocorreram interrupções.

De acordo com os pesquisadores, reservar certas horas do dia ou locais para ficar totalmente sem interferências de tecnologia – como a hora da refeição ou das brincadeiras após o trabalho – pode ajudar a aliviar as tensões familiares causadas pela difusão de mundos externos com a rotina da casa.

“Definir limites no uso digital pode ajudar os pais a evitar que os smartphones e outras tecnologias móveis interrompam o tempo de qualidade com seus filhos”