Fred

Poder se sentir o agente secreto ou cidadão de uma metrópole do futuro realizando perguntas e obtendo respostas contextuais, estatísticas e dicas, além de utilizar seu relógio para realizar diversas tarefas parece mesmo uma ótima ideia. Mas os números de vendas dos smartwatches estão revelando que a alguma coisa ainda não está certa para tornar essa ideia um produto atraente para os consumidores.

Dados do IDC (International Data Corporation) mostram que houve uma queda de mais de um terço nas vendas de smartwatches entre 2015 e 2016. O que pode estar errado afinal?

Volume de vendas de Smartwatch
Volume de vendas de Smartwatch

Para os analistas não passa de uma contenção de virada de tecnologia: os consumidores estariam esperando novos lançamentos, principalmente da Apple com uma profunda renovação em hardware e software (uau!), para não jogar dinheiro fora. Será mesmo que é só isso?

Talvez alguns dos que poderiam ser possíveis consumidores achem que U$299,00  seja um pouco demais para um dispositivo que tem quase a mesma função que um smartphone. Detalhe é que esse preço é para o modelo de entrada. Ops…

A menos que os smartwatches ofereçam a possibilidade de chamar o meu carro, abrir um porta enguiçada com um laser ou imprimir em 3D uma chave novinha em folha, é melhor que os fabricantes revejam a precificação de seus timepieces.