Testes ao Gorilla Glass 5 que equipa o flagship da Samsung (Samsung Galaxy Note 7) mostram aparente vulnerabilidade. Corning responde!

Muitas coisas são feitas e testadas assim que um novo equipamento é lançado. Os testes de benchmark são bastante apreciados, mas os testes de resistência não ficam nada atrás. E como existe alguma tendência para se vulgarizar e espalhar rapidamente os defeitos de qualquer equipamento, assim que algo corre mal, toda a internet é invadida.

Danos mostrados após teste.
Danos mostrados após teste.

Desta vez o “sacrificado” foi o novíssimo Samsung Galaxy Note 7. Para além do excelente hardware que equipa o Note 7, teremos um Gorilla Glass 5 (última geração). A gama Gorilla Glass é bastante conhecida pela sua qualidade e resistência, pelo que seriam esperadas melhorias da versão 4 para a 5.

Até que alguém mostre o contrário! De seguida temos vídeo que mostra que o Glass 5 poderá não ser tão bom quanto esperado, ora vejam:

Aparentemente alguns movimentos de ferramentas aguçadas serão suficientes para riscar o ecrã do Samsung Galaxy Note 7, sensivelmente metade dos que seriam necessários para o o Gorilla Glass 4, o que parece ser uma regressão.

Galaxy-Note-7-to-Feature-Gorilla-Glass-5-Near-Indestructible-Screen-1
A Corning precisou apenas de 3 dias para responder. Era esperado que tal acontecesse, assim como o conteúdo dessa resposta.

Defende a qualidade do Gorilla Glass 5, explicando que os testes apresentados foram feitos sem qualquer tipo de preparação e com recursos a materiais com os quais os equipamentos não estarão sujeitos no dia a dia. A Corning garante que o Gorilla Glass 5 foi testado diversas vezes em laboratório, tendo apresentado pelo menos o dobro da resistência da apresentada neste vídeo.

E então, porque motivo os riscos são visíveis nos testes mostrados? A Corning volta a responder..

Suspeita que o material utilizado no teste seria mais suave que o material de vidro do Glass 5 e a ferramenta metálica ter-se-á fragmentado, deixando os seus fragmentos no vidro. Assume então que as “marcas” não são danos mas sim resíduos da ferramenta utilizada. Se o ecrã não for propositadamente limpo, fica a ideia de se tratarem de riscos.

Muita coisa deverá ainda ser dita a este respeito, mas quanto a nós, sugerimos que protejam o ecrã dos vossos equipamentos com uma boa película. Já agora, evitem fazer testes deste género, não vá o material não ser tão resistente quanto anunciado!

 

Vocês, o que acham desta questão. O ideia passada no vídeo é totalmente verdadeira ou a Corning tem a sua razão?