O projecto ARA, desenvolvido pela Google, que muito assumiram como “morto à nascença” está prestes a ver a luz do dia da melhor forma possível: é o primeiro smartphone construído de raiz pela própria Google, e vai ser disponibilizado aos consumidores durante o próximo ano.

google-ara-io-2016-verge-DSC00650.0

As imagens que vos disponibilizamos vão mostrar, em versão prototipo, aquilo que será o smartphone modular mais aguardado durante este ano. Sim, este ano, pois será disponibilizada uma versão para developers antes de ser colocado no mercado. Certamente que será um pouco diferente no que diz respeito aos aspecto estético, mas não vai andar muito longe deste protótipo.

google-ara-io-2016-verge-DSC00658.0O ARA é mecanicamente mais simples e mais complexo que as versões anteriores que foram sendo apontadas.. É uma frase estranha, mas é a verdade. As versões anteriores eram fixadas magneticamente e os módulos comunicavam entre si via wireless (supostamente), mas actualmente, existem apenas conectores magnético, que o tornam mais sólido e eficiente.

google-ara-io-2016-verge-DSC00660.0Retirar um módulo é bastante divertido. Mudar os pequenos módulos é, talvez, das mais divertidas coisas que um “geek” pode querer num smartphone. Basta dizer “Okay Google, ejectar o módulo de câmera” et voilá…uma pequena lingueta move-se dentro do smartphone, fazendo com que o módulo da câmera salte. Partes móveis dentro de um smartphone é algo que não estamos habituados, muito mais se elas se moverem sozinhas.

google-ara-io-2016-verge-DSC00655.0A bateria também é amovível. Basta abrir a parte inferior do smartphone e retirar a bateria, mantendo-se o aparelho em funcionamento até se colocar outra carregada. Não deve contudo durar muito tempo antes de desligar, mas será o suficiente para uma rápida troca sem ser necessário reiniciar.

google-ara-io-2016-verge-DSC00656.0O processador faz parte da estrutura. Para já faz sentido a Google ter inserido o cérebro na própria estrutura. Provavelmente no futuro será possível fazer upgrades e criar módulos de processamento externos.

google-ara-io-2016-verge-DSC00668.0Funciona mesmo. Embora exista muito interesse nesta ideia, a grande maioria sempre foi um pouco céptica acerca do seu funcionamento. Sempre existiram bastantes dúvidas se a Google iria conseguir por tudo a funcionar. Existe ainda muito trabalho a fazer no entanto — A Google precisa de o disponibilizar, precisa de ter parceiros para o desenvolvimento dos módulos, precisam de fazer com que tudo seja um pouco mais fino e com melhor aspecto… Mesmo assim, é um dos mais aguardados projectos do momento, e teve o seu espaço próprio na I/O 2016.

Resta-nos apenas, para já, desfrutar de algumas fotos e vídeos sobre este produto que, no meu caso, deixa uma enorme vontade de experimentar.